sexta-feira, 23 de junho de 2017

BD

Interessante BD que aproveitando a promoção da livraria mais antiga que existe (dizem eles), avancei para es "As águias de Roma" Livro I, ficando a saber a pouco e tendo pena não haver nem o 2 nem o 3, só o 4...

Após um terrível combate, Ermanamer, filho do príncipe Sigmar, fica refém dos romanos. O imperador Augusto confia-o ao seu fiel Tito Valério Falco, que tem um filho da mesma idade, Marco. Os dois jovens recebem uma rigorosa educação romana, submetidos a uma disciplina de ferro. Ao longo das provas, o ódio mais implacável cede lugar à amizade. Mas o que acontece à fraternidade de espírito e de armas quando surge o amor por uma mulher?

quinta-feira, 22 de junho de 2017


Nunca desilude pedro massano.

páginas de História de Portugal iluminadas pelo traço inconfundível de Pedro Massano e as palavras dos cronistas da época. Um relato épico de um acontecimento marcante, com pranchas arrebatadoras e de grande beleza. A Batalha de Aljubarrota pela mão de um mestre, para oferecer e guardar para si. Este livro descreve o que foi um dia decisivo para Portugal. A 14 de Agosto de 1385, o exército comandado pelo rei D. Juan de Castela foi derrotado, no campo de S. Jorge, por uma força muito inferior de portugueses. Os heróis dessa jornada memorável foram Nun’ Álvares Pereira, D. João I, e a hoste heterogénea de quantos combateram sob as suas ordens. O autor Pedro Massano procurou, de acordo com as fontes históricas da época – Froissart, Castañeda, o próprio D. Juan e, sobretudo, Fernão Lopes – fazer justiça a esses quantos que souberam dar-nos uma nova vida e reinventar o seu país.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

terça-feira, 20 de junho de 2017

Aos três


Sempre bom ler clássicos, se bem que achava que poderia ser melhor o "Romana" da Maria Helena Rocha...

segunda-feira, 19 de junho de 2017


O primeiro milénio da História Celta: 1.000 a.C. – 51 d.C. «Combatendo divididos, foram totalmente derrotados. Tivessem permanecido inseparáveis, teriam sido insuperáveis.»Tácito (56 – 117 d.C.) «Se agora for o triste destino dos Celtas afundarem-se no abismo das civilizações perdidas, então eu tenho esperança que este livro, pelo menos este livro, tenha possibilitado atribuir-lhes o devido lugar na tapeçaria histórica da Europa Antiga.» Os Celtas foram o primeiro povo europeu a norte dos Alpes a emergir nos registos da História. No seu apogeu, dominaram o Mundo Antigo desde a Irlanda, a oeste, até à Turquia, a este, à Bélgica, a norte, e à Península Ibérica e Itália, a sul. Saquearam Roma, invadiram a Grécia e destruíram todos os exércitos que as cidades estatais da Grécia lhes pode enviar. Fizeram inclusive sentir a sua presença no Egipto dos faraós ptolomaicos. Eram, no entanto, um império sem um imperador; uma civilização que ultrapassou o continente mas que não tinha uma autoridade central. Para contar a sua história, Peter Berresford Ellis combina o seu talento de contador de histórias com os relatos clássicos da Antiguidade, contemporâneos do Império Celta

bom, mas só para amantes do género mesmo.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O dia do livro

Ainda bem que o há, senão não me lembraria deles.




e que venham muitos mais que me preencham o tempo e o dê por bem investido...

Verdadeiras companhias e "ouvi-mos" o que têm para nos contar e que me põem a sonhar, com viagens, epopeias, amores, desamores, revoluções, lutas por um mundo melhor, espionagem, romances...

sexta-feira, 21 de abril de 2017

post em tempo pouco real

A33
A1
A13
Miranda do Corvo
Uma década de distância
Entrada, prato de peixe pois à sexta-feira parece que acontece qualquer coisa que não dá para ser carne, três sobremesas e bebidas todas da região de Setúbal
conversa sobre tudo e sobre nada
Villa Romana
Castelo do Germanelo
Imagens de perder de vista, o verde senhores o verde
Castelo de Penela
Restaurante da Cantinho da tia Clotilde
e pequenas mordomias dum hotel no meio duma serra, nunca pensei gostar tanto duma sopa de tomate com queijo do Rabaçal, que queijo e um petit gateau que saiu excelente à segunda, claro que tive que dar uma hipotese pois estava só bom à primeira
em 3 noites já não foi mau

segunda-feira, 17 de abril de 2017

sexta-feira, 14 de abril de 2017

quinta-feira, 13 de abril de 2017

É bom saber

Numa das diversas situações que o meu trabalho obriga é verificar documentação de diversas empresas e deparo-me com esta pérola, na apólice do seguro fiquei a saber que os Estados Unidos e o Canadá pertencem a todo o mundo, é sempre bom saber.

sábado, 25 de março de 2017

Companhia


De manhã a caminho do trabalho, trouxe-me alegria de ver, de me acompanhar e lembrei-me logo de quem ia adorar ver o que vi, sempre melhorou (ou não) um sábado a trabalhar.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Soldado poeta

Ou poeta soldado?

Travou duas lutas importantes na altura, o equivalente à I e II Guerra Mundial de agora, viu o irmão morrer em batalha e quando regressou escreveu uma tragédia, valendo-lhe o epíteto de pai da tragédia, não foi o primeiro, mas as primeiras obras do género são dele as que nos chegaram até hoje.
Prometeu agrilhoado também é de Ésquilo e quem gosta de ler o género aconselho vivamente pois lê-se bem, rápido e somos transportados para junto dos deuses ou para a corte persa e "vemos" uma mãe desesperada pelo seu filho (Xerxes, rei dos Persas).

quinta-feira, 23 de março de 2017

Merece a visita


Painel no Castelo de Lisboa.

Enquanto a herdeira estava num aniversário, aproveitei para passear pelo Castelo, donde se tem umas vistas privilegiadas, museu com um acervo, bairro islâmico com visita guiada (recomendo), cafés e restaurante bem inseridos e o castelo em bom estado. 
Gostei de ter gostado.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Dois mundos


É o preço da evolução.

Cada vez gosto mais da Lisboa antiga, mas a nova tem de ser aceite, com todos os seus constrangimentos,

terça-feira, 21 de março de 2017

BD


BD histórica mas que inicia em Ulisses, apesar da sua interessantíssima história, saltar para Alexandre, fica um pouco estranho.
Voltar a ler BD histórica, fez-me regressar ao passado e o tempo que me deliciava a ver os desenhos de José Garcês em histórias sobre Portugal.

segunda-feira, 20 de março de 2017

...


Aprender a gostar de filosofia através dum romance, muito bem escrito, directamente para um público alvo com metade da minha idade ou menos, mas que a todos cativa.
Pelo menos a mim, para quem gosta de filosofia e não só.


SINOPSE
O Mundo de Sofia é um desses inexplicáveis sucessos que têm gerado uma contagiante adesão por parte dos leitores, entre os quais se contam muitos jovens. Mas não só. Tornou-se de imediato um bestseller em muitos países: está traduzido em mais de cinquenta línguas. Esta intrigante aventura filosófica, que põe em cena um professor de filosofia e uma jovem de catorze anos, percorre a história do pensamento ocidental, sem excluir alguns dos seus mitos e lendas e fazendo breves incursões pelas filosofias orientais. O tema central está estreitamente ligado à construção do universo romanesco que se duplica misteriosamente pela intervenção de outros dois personagens, apresentando-se ele próprio como um enigma. As misteriosas interrogações dirigidas a Sofia: «Quem és tu?» e «De onde vem o mundo?» são aqui emblemáticas da atitude de espanto de alguém, como Gaarder, para quem a existência é um coelho branco que o ilusionista tira ludicamente da cartola.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Lisboa



Lisboa

Lisboa com suas casas 
De várias cores, 
Lisboa com suas casas 
De várias cores, 
Lisboa com suas casas 
De várias cores... 
À força de diferente, isto é monótono. 
Como à força de sentir, fico só a pensar. 

Se, de noite, deitado mas desperto, 
Na lucidez inútil de não poder dormir, 
Quero imaginar qualquer coisa 
E surge sempre outra (porque há sono, 
E, porque há sono, um bocado de sonho), 
Quero alongar a vista com que imagino 
Por grandes palmares fantásticos, 
Mas não vejo mais, 
Contra uma espécie de lado de dentro de pálpebras, 
Que Lisboa com suas casas 
De várias cores. 

Sorrio, porque, aqui, deitado, é outra coisa. 
A força de monótono, é diferente. 
E, à força de ser eu, durmo e esqueço que existo. 

Fica só, sem mim, que esqueci porque durmo, 
Lisboa com suas casas 
De várias cores. 

Álvaro de Campos, in "Poemas" 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

As bacantes



Paradigmas, paradoxos, antíteses, moralismo, tragédia e afins, não sei se prefira as amazonas ou as bacantes... ao longe.

Primeiro estranha-se e muito, depois entranha-se e não sai.

Os trolls



Calma, é só os trolls do filme, apesar deles andarem por aí...

sábado, 11 de fevereiro de 2017

E tu Misha, que vês da tua janela?


Da janela do meu portátil, o 6 nações, a ver um sol lindíssimo em Roma no Stadio Olimpico, esperando que a Itália aguente 65/70 minutos como fez, contra Gales e perder no final, jogar como nunca e perder como sempre e no final, uma colher de pau, british humor.

Trump BB+

A agência de notação financeira Fitch, considera "a materialização de tais riscos definiria um contexto desfavorável para o crescimento económico, colocando pressão sobre as finanças públicasnuma análise publicada na sexta-feira, ou seja (a administração) Trump é lixo, já não é só Portugal, obrigado por esta noticia Fitch.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

América primeiro

Pegando no slogan sobejamente conhecido do Presidente dos EUA, "The America first", já agora "god bless America", mesmo, pois precisam, os comediantes de vários países da UE tentam fazer chalaças com as proverbiais frases de duas vá 3 palavras do presidente e é rir, melhor ver e rir nalguns casos, são poucos os países que aderiram e alguns têm graça outros nem tanto, Portugal já tem o seu, Lituânia, Bélgica, Suiça, por aí.
É ver aqui

Palavras para quê?

Resultado de imagem para palavras para quê sergio aragones         Resultado de imagem para palavras para quê sergio aragones

Sem fazer recurso de balões, só com os seus desenhos consegue perfeitamente ilustrar o que pretende, seja com um até seis tiras, transmite e fez-me rir bastante, um livro por noite, conhecido especialmente pela revista Mad.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Tuga Hygge ou lá o que isso é

Inspirado aqui

Levantar com as galinhas e ir buscar acabado de fazer pão da Lagoinha, na Lagoinha, apanhar laranjas e fazer sumo fresco com elas, apanhar uma rosa antes de entrar em casa e colocá-la na mesa e fazer o pequeno-almoço para dois, apanhar ameixas para o jantar, visitar o Castelo de Palmela ad infinitum, visitar tantos outros tanto consegui, fazer tertúlias com os amigos naquelas garagens até o sol raiar e achar que já é hora e na Figueirinha também, fazer de Epicuro tanto quanto possível com o Alentejo como eleição, e capitais Europeias tanto quanto possível, conduzir um Fiat Uno 55s para as férias de verão com amigos para o Algarve e para as passagens de ano, tantas histórias, beber um vinho tinto que goste acompanhado com pão e queijo da Cachopas, ou só o vinho também serve, sozinho ou acompanhado, ter orgulho no trabalho produzido e realizado e "sacar" aquela ideia - tendo temporariamente perdido essa faculdade, só esporadicamente - ser afagado na barriga por um gato muitas noites enquanto estava ao computador ou lia um livro, vir para a rua sempre que quisesse e ficar até hoje incrustado com o cheiro a eucalipto, podia percorrer aquelas ruas de olhos fechados que saberia onde estava...

Não podia querer menos, podendo ter mais

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Estereótipos

Afinal goza-se com estereótipos, que os patrões são isto e são aquilo e que temos de dar graças a eles senão nem tinha-mos trabalho, o salário mínimo ui, o salário mínimo, mas afinal o Quintela vem em defesa no Correio da Manhã que nem pagam o salário mínimo, pagam acima, o que ridiculariza ainda mais o seu primo/sócio. Liberar o trabalho, os despedimentos e afins tudo por uma melhor produção, yeah right, o excelso Dr. PPC inventou estágios (trabalhos) de um ano, com a malta a ganhar 200€ ui, um visionário, mas os matreiros da esquerda, sempre esses pulhas, vieram com o argumento se é um ano então têm direito ao subsidio de desemprego (que era o que acontecia sempre que acabava o estágio, aposto que ninguém espera este desfecho), passaram para 9 meses e lá deram a volta à coisa.
Querem sempre comparar com outros mercados, em tudo menos no salário que não têm capacidade para tal, então porque razão os trabalhadores têm que ter capacidade para trabalhar como os outros (escreve quem por 13 anos a norma foi trabalhar 58 horas semanais por conta de outrem)...

Ah o racius diz que em 2017 existem 610.001 Empresas

Isso 610,000 empresas para 3,700,000 trabalhadores

Afinal

Era o que se esperava dum demagogo e populista, havia quem dissesse que ah e tal as cosias mais estapafúrdias não passam no Colégio Eleitoral outras não passam na Câmara a equipa dele vai aconselhá-lo, pois claro.

Trump despede procuradora que o desafiou na proibição de entrada de migrantes

Resultado de imagem para trump you're fired

Na vida como nos reality shows...

Já dizia sabiamente o Manuel Machado:
Um vintém é um vintém, um cretino é um cretino

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

You had one job!


Seixal/Belverde...

RMHEARCNTE
OMHEARCRIC
ONCHEARTAT

Como diria o Bobby robson: No comments!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Prometeu

Soldado/poeta, Ésquilo combate em duas das mais importantes batalhas do seu tempo e quando regressa a casa vira um dos primeiros dramaturgos, cénico foi o "pai" de sons e imagens do teatro.




O mito de Prometeu aparece, pela primeira vez, em Hesíodo. Ésquilo retomou-o com algumas inovações. Prometeu um dia ludibriou Zeus, o qual, como castigo, privou os homens do fogo. Servindo-se de novo ardil, Prometeu roubou mais tarde o fogo, ao que Zeus respondeu agrilhoando o Titã e condenando-o a suportar os ataques de uma águia que lhe devora o fígado. Aos mortais deu como castigo a primeira mulher - Pandora. Ao servir-se do mito de Prometeu, Ésquilo quis, uma vez mais, mostrar que até os deuses devem ser moderados, sem nunca ultrapassarem as limitações do seu poder. Prometeu é o último rebelde, que ensinará a Zeus que a paz só se alcança através da justiça e da persuasão. Só quando Zeus modera a sua ira e perdoa ao Titã, a quem injustamente tinha infligido um castigo tão severo, é que se estabelece sobre deuses e homens um governo pacífico. Símbolo dos mais diversos ideais, ao longo dos séculos, este Prometeu de Ésquilo faz parte de uma das mais curiosas e polémicas trilogias que o mundo grego nos legou.
Prometeu Agrilhoado de Ésquilo

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

hala Madrid

Táxi
Aeroporto Humberto Delgado
Passeio pelo tax-free
Voo 15 minutos atrasado
Mesmo sendo um avião com lugares marcados e tudo ainda à pessoas que querem passar à frente de outras
Rever Lisboa de dia visto do ar é algo de único
No trajecto para Espanha passa-se por zonas tão desérticas, ficando a ideia de um melhor ordenamento se não seria possível
Aproximação a Madrid e fica-se encantado, mesmo com tanto cinzento, é um cinzento único
Las Barajas, parece-me demasiado vertical tornando-se claustrofóbico
Cabify até ao Museo Arqueológico Nacional, Prado e Thyssen fechados da parte da tarde tornaram impossível a vista aos mesmos, mas não poderia ficar mais contente com o que vi Arqueologia y património, Pré-historia, Proto-historia, Hispânia romana, Antiguidade tardia, Mundo medieval, Idade Moderna, O Nilo. Egipto e Nubia e Grécia tudo muito arrumado, bem organizado, com televisões em todas as salas com pequenos filmes que agradam a miúdos e graúdos, algumas réplicas que tornam ainda mais interessante as visualizações do museu
Saio e começo a descer a Calle de Serrano, fico mesmerizado a ver a Puerta de Alcalá e à direita a
Fuente de Cibeles, continuo a Calle de Alfonso XII vendo à minha esquerda o enorme parque de Madrid, até que vejo o Observatório Astronómico e chego a Atocha e vêm-me à memória pensamentos menos felizes e digo para mim mesmo que a vida continua, decido comer ali no La Gloria, não sendo fantástico, uns ovos com presunto, uma sopa da casa e uma sandes à casa a parecer a Francesinha, mas neste caso com sabores típicos espanhóis (presunto, toucinho, fiambre e uns vegetais)
Cabify até ao hotel onde nenhuma recepcionista fala inglês, ou faz por preferir não falar e prefere o meu portunhol desde que... fale devagar, lá nos entendemos
reconhecimento ao local e todos os salões são dedicados a pintores famosos, espanhóis claro
oito da manhã e o mostrador da rotunda mostra -6, algum tempo depois -1, mas na rua não se sente
Quiche, presunto, toucinho, linguiça, chouriça, chouriço, "tomatada" (de difícil degustação, ainda por cima aquelas horas da manhã), croissant, mel, maçãs, sumo de laranja, café
Táxi até Parque Warner, Piu Piu e Silvestre, Daffy Duck, Bugs Bunny, Yosemite Sam, Marvin Martian, Coyote e Bip-Bip, tom e jerry, super-homem, batman, frosty e desfile de natal às 20, onde vi uma criança espanhola a começar a chorar, não foi difícil perceber o que tinha acontecido e digo logo para se acalmar que havia de encontrar a sua mãe, ela a querer chorar mas a explicar o que tinha acontecido - estranha aquela calma duma criança com 5/6 anos numa situação daquelas - vejo dois assistentes da Warner e resolve-se o problema.
De volta apanho taxista a ouvir "as melhores 99 músicas clássicas", foram bons 25 minutos de viagem, descontraídos
ver Lisboa à noite do céu tem um encanto abismal
Andei em Espanha cerca de 2h45m de táxi/cabify, a única conversa foi do cabify para dizer que tinha água nas portas se quisesse beber. Em Portugal assim que entrei "então vêm do frio ou do calor?" que dizer, a tradição ainda é o que era.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Mestres nas sua arte

Cada pessoa tem a sua ferramenta em que é especial e há uns mais especiais do que outros, uns é em oratória, pensamento, dissertação, desportiva, activismo, voluntariado e há também em serralharia, num armazém não pude deixar de registar este mo(nu)mento, que serve para pôr umas flores e que lá está ao abandono, mas que permanece, tem mais 15 anos segundo me disseram.
O tempo, o trabalho despendido é inimaginável.



sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Lobby

Finalmente, um homem que vai acabar com o lobby de Washington.

Mas vai começar o lobby de Nova Iorque. Por isso metam o cinto de segurança e preparem-se.




Resultado de imagem para donald trump faces

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

e 2017

Continuarão a postar pena por todas as estrelas pop, quase em contra-relógio para ver quem é o primeiro a escrever e a dizer que gostava daquela estrela (não tendo se calhar nenhum disco ou CD ou até tido um poster da Bravo), se bem que alguns fazem trocadilhos no título, em 300 anos de blogs não escrevem uma linha, mas aquando da morte, mais um post.

Já fui pôr as pipocas a fazer.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Incendiou as redes sociais

Mas será que todos os dias tem que se ler isto, até em jornais como o DN.
É no Facebook, é nos blogs, a esta altura coitadinha da Rede Social, com tanto incêndio ainda aqui está para contar a história. Essas e outras...

Haja paciência

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Dupond e Dupont ou copy/past



Não é original a ideia, pois tendo em conta que existe o Timeless, mas a RTP decidiu apostar numa série similar (que é uma cópia duma série espanhola), 11% de share, está dito, não desgostei, mas os fx estão assim um pouco para o século passado.

Resultado de imagem para ministerio do tempo rtp

Ao longo dos 16 episódios, existirão “berbicachos” com vários séculos para resolver. Dois homens do século XIV andam à solta em Lisboa. Será que querem impedir Portugal de vencer a Batalha de Aljubarrota? A primeira missão é uma viagem até 1384. Tudo fica em alerta, em 1940, quando Salazar planeia encontrar-se com Hitler em segredo. Depois de receberam um aviso de Elvas, os agentes vão a 1807, na véspera de Natal, em plena Invasão Francesa, falar com o próprio Napoleão.
Mas há mais personagens da História de Portugal e do mundo a chegarem ao presente vindos de um passado longínquo, como Fernando Pessoa, Luís de Camões, Gil Vicente, Afonso de Albuquerque ou Nuno Álvares Pereira. Para não nos esquecermos de onde viemos.
in Visão